“Um tradutor? Não precisa, sou bilíngue! ”

“Um tradutor? Não precisa, sou bilíngue. ” Você não pode imaginar quantas pessoas usam esse raciocínio para descartar ou ignorar suas necessidades de tradução.

“Um tradutor? Não precisa, sou bilíngue! ” Você não pode imaginar quantas pessoas usam esse raciocínio para descartar ou ignorar suas necessidades de tradução. Em nosso processo de prospecção, isso responde talvez por um terço das explicações para a recusa. Quando estou lidando com esse tipo de resposta, muitas vezes envio um e-mail, com alguns argumentos que acredito serem fortes o suficiente para fazer meu cliente pensar duas vezes. Às vezez tenho impressão de que minhas palavras caem em ouvidos surdos.

Você é bilíngue o suficiente para traduzir do inglês para um idioma estrangeiro?

Eu frequentemente me comunico em francês, inglês ou espanhol. Nada de excepcional no setor de tradução, este é o mínimo. Escrevo meus e-mails nessas línguas com mais ou menos sucesso. Na verdade, não é uma tarefa fácil traduzir toda a nossa comunicação no dia a dia. No entanto, a comunicação por e-mail permanece fácil e repetitiva, pois uma vez que o vocabulário é adquirido, um conhecimento básico da gramática e uma boa memória são suficientes.

Aqui está uma pergunta simples: Quantas palavras você acha que sabe na sua língua nativa? Responda: 2 000, 3 000, 5 000, 10 000? Realmente não importa. A verdadeira questão é: você realmente conhece quantas palavras neste idioma você afirma ser bilíngue? E você acha que domina a sutileza dos pontos gramaticais e também da sua língua nativa para fazer uma tradução profissional? Vamos, seja honesto, por favor.

Na verdade, você não é bilíngue, você é fluente. De acordo com as explicações encontradas no site da Wikipedia, alguém é bilíngue quando consegue se expressar perfeitamente sem nenhuma preferência por nenhum dos dois idiomas.

Desejo que meu cliente perceba imprecisões ou erros de tradução em seu primeiro contato comigo? Eu não, e você?

Aqui está um exemplo. Embora eu domine o francês e o espanhol eu não escreveria este artigo nestes idiomas, mesmo que o público-alvo seja muito mais amplo. Por quê? Simplesmente porque não domino totalmente (e certamente nunca dominarei) as nuances dessas línguas e este material é muito importante. Se eu tivesse escrito este artigo em um desses idiomas, ou mesmo traduzido para eles, certamente teria cometido erros, e um ponto poderia ser mal transmitido ou não desenvolvido adequadamente. Esse texto é para um site, e é uma das minhas primeiras ferramentas de comunicação. Desejo que meu cliente perceba imprecisões ou erros de tradução em seu primeiro contato comigo? Eu não, e você?

Com uma nota de 940 no TOEIC, eu sei traduzir!

“Minha nota no TOEIC foi 940!” você vai insistir. O TOEIC – Teste de Inglês para Comunicação Internacional – é um teste de proficiência de idioma para o uso do inglês no cotidiano e não capacita a realização de traduções. Ainda mais quando se trata de uma linguagem formal ou altamente técnica. E quanto ao estilo? Você acha que pode recriar um estilo coloquial ou uma linguagem de negócios necessária para uma tradução profissional?

A menos que você tenha pais de duas nacionalidades diferentes e tenha vivido em seus respectivos países por vários anos, você terá apenas uma única língua nativa.

Agora que você entende isso, você honestamente acha que é capaz de traduzir seus documentos com precisão? Ou pior, você vai pedir a um estagiário para fazer uma tradução? Se você deseja traduções de qualidade o mais sensato é entrar em contato com tradutores profissionais.

Tradução para o português: Mariana Altenbernd

Conheça nossa agência de tradução.